2

O estranho no ninho

Sempre tive vontade de ter uma família grande, acho que pelo fato de ser filha única e não ter os irmãos pra compartilhar momentos, a companhia e até as brigas!

Me casei e nunca imaginei que teria filhos tão rápido…em 7 anos, 3 filhos.

Enfim, a minha primeira filha nasceu, e foi tudo novidade!

De repente, e exatamente 2 anos depois nasce o do meio e depois de 4 anos, nasce o terceiro.

Aí começam as adaptações no nosso núcleo familiar, e a dinâmica dos irmãos também sofre com a chegada do novo integrante.

A primogênita ficou numa boa com a chegada do bebê, mas o do meio, mudou em todos os aspectos.

Muito ciúmes, rebeldia, inquietude, agressividade, fazia tudo pra chamar a minha atenção e ainda dizia que eu só gostava daquele bebê e que não dava mais atenção pra ele, no fundo ele não estava conseguindo lidar com a chegada do irmão e a falta que eu estava fazendo, pois ele tinha a minha atenção à disposição e naquele momento, o tempo da mamãe era dividido em outros afazeres.

Me desdobrava, nos momentos que o bebê dormia ficava com eles, mas muitas vezes pra ele aquele tempo não era suficiente.

E ele chorava e chora até hoje, a adaptação ainda está acontecendo, hoje as coisas melhoraram, mudei rotina, o meu posicionamento com as crianças, ele já brinca com o irmão, tem um pouco de dificuldade para entender que o irmão tem 1 ano e meio e ele 5 vezes mais, além do tamanho, mas nada fora do previsto e que não possamos contornar.

O reforço em dizer que o amo e da importância dele para minha vida é diário, pois percebo que a necessidade dele é maior, vou me desdobrando neste jornada de amor, mas sem deixar de lado a conversa, as demonstrações de carinho e minhas limitações para que eles entendam como a vida em família funciona e que hoje nós somos uma grande família.

Criar filhos é uma tarefa difícil e que exige concentração, disposição e reflexão, pois lidar com vidas, ainda mais sabendo que tu iras interferir na construção deste ser humano, requer muito mais atenção e cuidado.

E vamos seguir, sempre com otimismo e amor.

Um super abraço.

Lembre-se você é luz e até o próximo post!

 

 

2

A escolha

Quando criança, você provavelmente perguntou a profissão dos pais e já disse a frase:

Quando eu crescer quero ser…..!

Isso muda com frequência e de acordo com as identificações.

Meu filho certa vez disse que seria médico, quis colocar jaleco e crachá com o nome do médico dele, Dr.Charles.

Eu embarquei na brincadeira e além do jaleco e crachá, no bolso tinha um bloco de folhas que simulavam o receituário e assim brincamos por alguns momentos.

Outra vez, era policial, depois cabelereiro e depois como o pai, funcionário público e pediu pra que o pai o ensinasse a trabalhar com isso!

A última escolha foi:

Mamãe eu quero ser tudo!

E eu disse: Filho você pode ser tudo que quiser, mas vá com calma e faça uma coisa de cada vez!

Ele ficou feliz, porque eu o apoiei e foi contar pra irmã e toda vez que alguém pergunta o que ele quer ser…ele responde…TUDO e me olha sorrindo e orgulhoso!

Sabe que fico feliz em poder encorajar o meu filho nesta jornada da escolha profissional que para muitos pode ser sofrida, assim como para outros não.

Hoje ele está com 5 nos e de fato tem muito tempo pra ser o que quiser, então não seria adequado restringi-lo e  colocar o meu desejo, como mãe, do que gostaria que ele fosse.

O papel dos pais, ou responsáveis é de estimular as aptidões, a criatividade da criança e do adolescente, proporcionar experiências que favoreçam um desenvolvimento equilibrado, abertura para o diálogo, porque a partir daí, a criança, se tornará adolescente, o adolescente um jovem e o jovem um adulto, que terá auto-conhecimento e isso facilitará na hora da escolha.

A necessidade de fazer esta escolha no fim do colegial, o fato de ser prematura a decisão, faz com que adultos possam depois se arrepender.

Mas, como toda escolha implica perda, não temos como prever o futuro das nossas crias, mas o apoio e orientação fazem a diferença.

Então, vamos viver um dia de cada vez e sendo único, pois a infância passa logo e a tecnologia está com tudo para fazer dos nossos filhos seres melhores e capazes de produzir o bem pra humanidade.

Um abraço e até o próximo post!